A lógica do Ta$$o

De nada adiantou a minha denúncia na Internet! :-(((

O governo do Ceará promulgou a Lei no 12.968/99 instituindo para os usuários da CAGECE a famigerada Tarifa Excedente de Consumo, onde os consumidores são convidados a colaborar com o racionamento, reduzindo em 20% o consumo de água, sob pena de pagarem em dobro o que ultrapassar a cota estabelecida.

Se aqui ainda não está faltando água, o mesmo não se pode dizer de certas qualidades daquele que posa pelo Brasil a fora como um grande administrador.

E ele o é: não satisfeito com a impunidade que assola o território nacional, o governador cearense está nos presenteando com a falta de justiça, ao se negar a realizar concurso público para Promotor de Justiça e Defensor Público. Em ambos os casos, mais de 1/3 das vagas estão ociosas. A recusa para a não realização do certame é a mais cretina possível: economia. O custo social dos processos que estão parados a espera de uma manifestação não importa para os crânios do neo-liberalismo tupiniquim. Inclusive, acho que é uma impropriedade, um anacronismo nomeá-los de neo-liberais. Na verdade, eles são liberais da mesozóica, ou seria da cenozóica?

Engana-se quem pensa que a realização de concurso no âmbito estadual seja a garantia de nomeação! Que digam os delegados de polícia que esperam ansiosamente, há mais de 60 dias, o momento de assumir o posto que galgaram com tanto esforço, incluindo um curso de três meses na Academia Nacional de Polícia, vinculada à Polícia Federal, em Brasília.

Alheios a tudo isso, profundamente gratos ao dirigente máximo (não digo o mesmo da sua competência!), estão os assaltantes, que atuam cada vez mais despreocupados no território alencarino. Assaltos a bancos não são mais novidades por aqui, principalmente no interior, coincidentemente onde há carência de delegados e promotores de justiça...

O ápice da ação dos amigos do alheio foi o assalto, no ano passado, a CORPVS, uma das maiores empresas particulares de segurança. Isso mesmo: não satisfeitos com a ineficiência dos agentes públicos, eles resolveram usufruir, também, da incompetência dos setores privados.

Sabendo da dificuldade financeira que a população cearense atravessa, impossibilitada de viajar à cidade maravilhosa, o governador determinou que a empresa ganhadora da privatização da COELCE (Companhia Energética do Ceará) pesquisasse da sua coirmã do Rio de Janeiro, a Light, a tecnologia que permite realizar com maestria os famosos apagões. Muito solícita e competente, eis que a empresa local já disponibilizou tal opção, mesmo antes do lançamento oficial.

Verdade seja dita: a construção do porto do Pecém é um marco do desenvolvimento econômico local. Assim, não entendo o fato de as pessoas criticarem as autoridades administrativas do nosso Estado só porque, no afã de aprovarem o projeto daquele mega empreendimento, teriam utilizado dados de maré referentes ao porto do Mucuripe, localizado em Fortaleza, que dista cerca de 30 km do primeiro. Qual é a importância de se estudar o impacto ambiental de um imenso porto diante das divisas que ele escoará?

Em setembro do ano passado, o galego de olhos azuis preparou uma grande festa para assistir ao atracamento do 1o navio no novo porto. Foi um grande momento, sem dúvida! O fato de ele não ter ancorado não tem nada a ver com a engenharia ou com o projeto desenvolvido: o problema, conforme detalhadamente explicado, foi porque estava ventando muito... :-)))

Paulo Barguil
20/01/2000

 
www.paulobarguil.pro.br