Máxima Data Vênia

"Questão de gosto não se discute" é uma máxima popular. Eu, que adoro um trocadilho e dificilmente perco uma chance de esticar um assunto interessante – desrespeitando, por vezes, o desejo alheio para que o assunto descanse em paz –, emendo-o: "Questão de gosto não se discute, lamenta-se... ". Tanto assim, que peço licença para divergir em alguns aspectos da crônica Tiazinha desmascarada, do Eduardo.

Inicialmente, ele diz que "A primeira vez que fui ao site da Playboy, meses atrás, foi no mais absoluto exercício da profissão: estava coletando umas imagens de seios para um sitezinho novo." Ora, isto é uma grande mentira! Não, eu não me refiro se aquela foi a sua 1a visita ou não àquele site, mas à denominação de sitezinho ao interessante projeto que ele vem desenvolvendo na surdina, do qual também tenho o prazer de fazer parte – embora não saiba se vou continuar depois de quebrar parcialmente meu juramento! :-)))

Sobre as fotos da Tiazinha, ele afirma: "A decepção foi total. O rosto da mulher é banal, para não dizer enjoado. O corpo não tem graça nenhuma, um monte de carne sem alma. A nudez confirmou o que eu já desconfiava: a Tiazinha é máscara e cinta-liga." GLUP! Como diria um colega do trabalho, o legendário Pompeu, agora o Duju pegou pesado!

Tanto assim, que ainda cheguei a pensar que ele estava usando uma figura de linguagem para descrevê-la de forma mais poética. Após ler inúmeras vezes, reconheci, por fim, que aquelas palavras atropelaram o meu mecanismo de defesa: ele realmente não apreciou as formas da Suzana Alves (nome da donzela em questão). Fazer o que, né? Como ele mesmo disse, "cada um tem o ombro e a bunda que merece". Particularmente, eu não reclamaria da vida se tivesse uma mulher daquelas do meu lado ou até mesmo debaixo de mim...

É claro que ela foi devidamente produzida para a ocasião, mas qual é a mulher que quando vai para uma festa não dedica um precioso tempo a este ofício? Afinal, conforme me ensinou um amigo da faculdade, o Leite Jr., o melhor dia para se conhecer uma mulher é 2a feira, quando ela está menos provida de maquiagem e de outros truques femininos. Acrescentei a esta sábia opinião a certeza de que o melhor local para se conhecer uma mulher é sua casa, quando se pode saber como ela se veste no dia-a-dia e como organiza o seu quarto...

Por falar nisso, preciso arrumar o meu: já pensou se a minha namorada encontra a Tiazinha, sem máscara e sem roupa, deitada sob os lençóis da minha cama?

Paulo Barguil
27/03/1999

 
www.paulobarguil.pro.br